Autista, Autismo, asperger, criança autista, pessoas com e deficiencia, deficientes, TDAH

Loading...

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Opinião: Visão de Trump sobre vacina infantil desafia ciência

As opiniões de Donald Trump sobre vacinas estão há muito tempo fora de sincronia com a ciência. As vacinas infantis causam autismo, disse ele em um debate em 2015, ecoando suas declarações feitas em 2014 e 2012.
Mas agora o presidente eleito está prestes a fazer mais do que apenas passar adiante informações equivocadas: ele nomeou um representante "antivacinação" para liderar uma comissão sobre "vacinação e integridade científica".
O nomeado é Robert Kennedy Jr., cético em relação a vacinas há anos, que acredita -- assim como Trump, sem nenhuma evidência -- que o conservante contido em algumas delas está ligado ao autismo.
Infelizmente, não se trata apenas de dois homens que compartilham de uma teoria que já foi completamente desacreditada. Nos EUA, e cada vez mais no restante do mundo, a crença sobre o perigo das vacinas está se propagando, o que faz com que alguns pais as descartem completamente, aumentando assim o risco de que as crianças sofram e morram de sarampo e de outras doenças que podem ser prevenidas. No Texas, que se transformou no centro do movimento antivacinação, dezenas de milhares de crianças estão crescendo sem vacinas, 20 vezes mais do que em 2003.
O perigo é que Trump e Kennedy estimulem mais reações contra as exigências estaduais de que as crianças sejam vacinadas contra as principais doenças transmissíveis antes de se matricularem na escola.
A maioria dos estados permite isenções religiosas a regras como essa, mas apenas 18 ainda permitem isenções baseadas em crenças pessoais. O Texas é o maior deles e a legislatura está debatendo várias maneiras de fortalecer sua lei. Todos os estados deveriam, pelo menos, exigir que as escolas publicassem a porcentagem de seus estudantes que foi vacinada para que os pais tenham a garantia de que as escolas são seguras.

As vacinas seguras, conforme são demonstrado por muitos estudos e relatórios. O único estudo que alguma vez afirmou ter detectado uma ligação entre as vacinas e o autismo era uma fraude e seu autor foi impedido de exercer a medicina.
Os médicos também demonstraram que o calendário de vacinação recomendado para crianças não é nem muito antecipado e nem muito apressado, como alegou Trump. Ao contrário, é importante proteger os mais jovens de coqueluche, difteria e outras doenças e é essencial que tomem as vacinas no momento em que elas serão mais eficazes.
Kennedy disse na terça-feira que ele e o presidente eleito simplesmente pensam que "precisamos ler a ciência e precisamos debater a ciência". Se os dois homens fossem tão razoáveis, não estariam transformando as vacinas em um problema.


FONTE: 
Bloomberg
http://economia.uol.com.br/noticias/bloomberg/2017/01/11/visao-de-trump-sobre-vacina-infantil-desafia-ciencia-editorial.htm

Nenhum comentário: